ADELE

Rumor diz que o quarto álbum de Adele será lançado no próximo verão se a gravadora Sony conseguir o que quer, segundo o site britânico Daily Star.

A super estrela britânica começou a trabalhar em seu próximo álbum, ansiosamente esperado – com insiders originalmente alegando que poderia ser definido para um lançamento de Natal de 2019. No entanto, os chefes da Sony querem antecipar a data – sabendo que isso significará milhões de vendas extras em todo o mundo.

Mas antes de seu exército de fãs ficarem animados, Adele deixou claro que o álbum será lançado nos termos dela.
Uma fonte da indústria musical disse: “Adele começou a trabalhar em seu próximo álbum e vem tendo um ótimo progresso.”

“A gravadora e a equipe dela estão muito felizes e agora se fala em antecipar a data de lançamento de novembro para o final do verão (entre agosto/setembro de 2019) ou até mais cedo. ”

“A Sony sabe que o álbum vai vender milhões nas semanas que antecedem o Natal, mas acreditam que um lançamento de verão possa quase dobrar as vendas do ano.”

“No final do dia, a única opinião que realmente conta é a de Adele, pois ela decidirá quando o álbum estiver completo. Seu último álbum, 25, estava quase pronto antes de 2015 mas ela descartou completamente e começou tudo de novo, então ninguém está contando com isso ainda.”

“Mas dito isso, estão todos muito satisfeitos e otimistas com a possibilidade do álbum estar pronto antes do esperado. Pelo que parece, Adele esteve escrevendo no estúdio durante grande parte desse verão.”

Os detalhes do quarto álbum da diva inglesa são guardados a sete chaves.

“O lançamento do álbum de Adele é uma grande notícia para a indústria da música e vital não apenas para a Sony, mas para a indústria como um todo.”

Depois de 3 anos após o lançamento do “25”, Adele já esta preparando seu novo álbum. Segundo a impressa britânica, a cantora está de volta ao Reino Unido para trabalhar no seu novo projeto.

Adele que estava residindo em Los Angeles, voltou a Londres para uma reunião com a sua gravadora, Sony Music, para dar inicío ao #A4 que deve ser lançado no final de 2019.

Ainda segundo a publicação, Adele ja tem algumas músicas prontas e já se reuniu com compositores. O que nos resta é esperar.

FONTE.

Adele continua surpreendendo até aos mais otimistas com as vendas do seu novo álbum de estúdio, o “25”. Com apenas 1 single lançado até o momento, o disco, massivamente divulgado na TV pela cantora neste final de ano, ultrapassou 14 milhões de cópias vendidas mundialmente na atualização desta semana.

Com 2,478,000 cópias comercializadas na última semana, o disco conta, agora, com 14,205,000 de vendas totais.

1ª semana: 5.706.000
2ª semana: 2.336.000
3ª semana: 1.793.000
4ª semana: 1.892.000
5ª semana: 2.478.000
Total: 14.205.000

Enquanto o “25” levou apenas 5 semanas para chegar a tal marca, o “21”, disco anterior de Adele, demorou 52 semanas para alcançar 14 milhões de cópias comercializadas.

RDT Pop.

Em apenas 3 semanas, o novo álbum da Adele superou as vendas do “1989” (8.711.000), da Taylor Swift, e se tornou o disco mais vendido de 2015, com aproximadamente 9.835.000 cópias comercializadas mundialmente. Em sua terceira semana, o álbum “25” teve quase 2 milhões de unidades vendidas, de acordo com o Mediatraffic.

1ª semana: 5.706.000
2ª semana: 2.336.000
3ª semana: 1.793.000
Total: 9.835.000

Como o Mediatraffic não conta as vendagens de todos os países, apenas dos principais, é certo que o disco já tenha passado das 10 milhões de cópias comercializadas.

Fonte: RDT Pop.

“Hello” da Adele já se igualou a “Rolling in the Deep” na Billboard Hot 100. Primeiro single do álbum “25”, se mantém no topo da parada americana pela sétima semana. O esperado é que Adele continue no 1º lugar por mais uma semana. “Hello” ainda é líder de streamings e de execuções nas rádios nos Estados Unidos. Além disso, foi a segunda música mais baixada da última semana, ultrapassando a marca de 3,1 milhões de downloads no país.

Top 5 dos singles mais baixados da semana nos EUA:
01) “Hello” – Adele (-)
02) “Sorry” – Justin Bieber (-)
03) “Hotline Bling” – Drake (-)
04) “What Do YOu Mean?” – Justin Bieber (-)
05) “Love Yourself” – Justin Bieber (7-5)

Adele também conquistou seu primeiro nº #1 na parada Dance Club Songs com “Hello” graças a ajuda de diversos remixes lançados nas últimas semanas. Esta é a primeira vez que Adele chegou ao topo da Dance Club Songs, mas “Hello” não é a única música da Adele a conquistar o Top 10 da parada de música eletrônica. Em janeiro de 2013, a faixa-tema do filme de James Bond “Skyfall” chegou ao 10º lugar do ranking.

Já com relação à venda de álbuns nos EUA, Adele superou as expectativas. As previsões apontavam 650 mil cópias, e ela vendeu mais 695 mil unidades. Só quem conseguiu vender mais de 650 mil cópias em cada uma das três primeiras semanas no mercado americano foram os Beatles (com “1”) e os Backstreet Boys (com “Black & Blue”), ambos em 2001.

Somando as novas 695 mil cópias, “25” ultrapassa 5,19 milhões de unidades vendidas no total nos Estados Unidos, em menos de um mês. O número já se aproxima de “21”, que vendeu 5,85 mil cópias nos Estados Unidos no ano de lançamento (2011). A expectativa é que “25” supere isso em breve, em muito menos tempo.

Top 5 dos álbuns mais baixados da semana nos EUA:
01) “25” – Adele (-)
02) “A Head Full of Dreams” – Coldplay (lançamento)
03) “Purpose” – Justin Bieber (2-3)
04) “That’s Christmas To Me” – Pentatonix (3-4)
05) “When It’s Dark Out” – G-Eazy (lançamento)

Adele é o assunto do momento. Drake se ofereceu para lavar suas roupas. Britney Spears declarou o seu amor por “Hello”. Mas as conversas sobre a Adele estão mais focadas em números — e em sua (extremamente lucrativa) decisão de não liberar seu novo album, o 25, para plataformas de streaming — do que em sua música.

Numa entrevista para Jon Pareles, o mais importante crítico de música pop do New York Times, entretanto, a cantora e compositora explicou o por quê do jeito em que lança suas musicas, com uma perspectiva de uma música que ainda é fã de musicas.

Eu quero lançar um album,” ela disse, “e não vou lançar quatro singles antes de lança-lo. Não quero que o meu álbum seja devorado.”

Na entrevista, Adele também falou sobre a mudança em sua voz e seu estilo vocal, sobre lidar com sua crescente fama, sua turnê no ano que vem e seu processo artístico. Estes são os resumos da entrevista:

Sobre a fama:
“Eu acho que é muito mais fácil ceder a fama do que resistir a ela. Você tem que ficar se policiando diariamente. É muito tentadora, a fama, mas não é a vida real. Por que você não iria querer viver uma vida de verdade? Eu sinto como se pudesse aproveitar mais a fama se de vez em quando eu me deixasse levar um cadinho.”

Sobre ego, seu ultimo álbum, o “21” e satisfação artística:
“Todo artista tem um ego que precisa ser alimentado. Eu não componho musica apenas para mim mesma. Eu componho música para que alguém diga: “Isso soa muito bem”, “é uma canção amável”, “isso me faz pensar em certa coisa”, “isso faz com que eu me sinta de tal forma”. Então eu fico mais do que feliz por isso ter acontecido com o “21”, com “Someone Like You” e com qualquer outra musica que eu tenha. Porque é isso que toda pessoa criativa espera: que o que eles venham criar seja lembrado. Eu amo as músicas que produzi. Eu as acho ótimas. Por um tempo, me senti um pouco desconfortável com as músicas, mas eu rapidamente cheguei num ponto onde tudo era maravilhoso. E foi exatamente para isso que eu as compus.”

Sobre seu estilo musical:
“Eu não quis escrever algo como meu último álbum, nem como algo parecido com os anos 60 ou nada desse tipo. Eu queria fazer algo mais moderno, e acho que fiz, mesmo que tenha me inspirado bastante nos compositores dos anos 70 para o 25. Ao invés de entrar no soul ou estilos assim, estou fazendo coisas com a minha voz que são um pouco mais modernas. E essa foi uma decisão bem consciente.”

Sobre o estrelato pop:
“Quando eu era criança e havia shows por aqui como, por exemplo, ‘Top of the Pops’, ‘CD: UK’, ‘Live & Kicking’ e afins, eu queria ser uma estrela do pop. Quando eu costumava assistir as estrelas que eu idolatrava, eu queria ter a vida que eles tinham que sempre parecia feliz. Eles viviam sorrindo, com uma aparência ótima e sempre vestidos maravilhosamente. Mas eles sorriam o tempo todo, pois tinham que sorrir. Se vestiam bem, pois tinham um estilista. Sempre voando por aí, sem poder estar em apenas um lugar de cada vez — por muito tempo, quis estar em outro lugar. É só um hábito ruim. Eu ainda me sinto assim, as vezes. Não é como fugir, mas apenas saber o que está acontecendo em outro lugar. Então eu sempre me senti intrigada com tudo isso. Eu não queria ser uma estrela do pop, mas eu queria ter a vida dos meus ídolos, pois parecia tão brilhante. E agora que tenho, não parece tão brilhante assim. Porque as coisas não são como aparentam ser. Mas eu estaria mentindo se dissesse que eu nunca desejei nada disso, pois eu desejei.”

Sobre a possibilidade de uma turnê mundial:
“Eu vejo algo muito solitário em cantar para tantas pessoas por noite, por tanto tempo. O que soa muito estranho, porque você canta para cerca de 20 mil pessoas todas as noites, mas você vai embora sozinha. Você não vai para casa e divide a cama com 20 mil pessoas e faz uma festinha do pijama e assiste filmes. Obviamente eu terei meus amigos e minha família comigo, mas o pensamento do quão solitário isso pode ser, me fragiliza mais do que a ideia de fazer a turnê mundial em si.

Sobre insônia:
“Eu tenho problemas para dormir. Quando as luzes se apagam e eu fico com a mente vazia, penso nas piores coisas possíveis. Quando fico sozinha com os meus pensamentos, a menor coisinha se transforma numa coisa enorme, então eu fico preocupada. Então, eu durmo quando estou cansada ou quando preciso dormir. Ao contrário, eu faço tempestade em copo d’água. É como ter medo de ser deixada sozinha no escuro.”

Sobre amor e ódio:
“Estou começando a perder essa coisa de odiar as pessoas. Eu não odeio mais ninguém, é meio exaustivo e eu não tenho tempo para isso. O jeito como eu amo e como eu odeio são iguais para mim. Ter energia para odiar alguém é o mesmo que ter energia para amar alguém. Você tem que dedicar seu tempo à alguém.”

Sobre amigos:
“Quanto mais sucesso você tem no seu trabalho, menor se torna a sua vida. O que é tranquilo, pois os amigos que tenho são meus melhores amigos e eles serão meus amigos para sempre e alguns deles são meus amigos desde antes da fama. Eles são minhas almas gêmeas. Se eu me deixar, eles não vão. Eles sempre me dão opiniões bem sinceras.

Sobre o relacionamento com seu namorado, Simon Konecki:
Nós estamos juntos desde que ficamos juntos, apesar do que dizem por aí. Eu estou muito feliz e acho que é por isso que me sinto tão confortável em compor sobre qualquer coisa que eu queira. Simon me deu carta branca pra isso. Ele disse: Não se importe com o que eu vou achar. Isso é o seu trabalho. Compõe sobre o que você quiser.“

Sobre a maternidade:
 “Eu Achei que seria fácil. Todo mundo faz isso. Existem de sete a oito bilhões de mamães. Todo mundo faz isso, o quão difícil pode ser? Whool! É a coisa mais difícil do mundo!”

Sobre cantar após a cirurgia na garganta:
“Acredito que consigo cantar melhor do que antes. Não sei se é por causa da minha cirurgia na garganta. Minha voz ficou muito grave durante a minha gravidez. É por isso que Skyfall é tão grave.” [Risadas.] “Agora eu posso cantar grave e depois alcançar notas mais altas do que eu era capaz de alcançar, ainda que não sejam notas que os cachorros gostariam de ouvir. Eu nunca fui muito confiante em relação a minha voz. Agora, nos ensaios ou no estúdio, eu alcanço notas que eu costumava usar falsete, pois eu ficava com medo de não conseguir alcançar. Mas agora eu subo a voz e alcanço as notas.”

Sobre trabalhar com vários produtores e colaboradores: 
“Não gosto de trabalhar com uma pessoa só. Eu fico muito entediada. Eu sou muito distraída. Não gosto de trabalhar no mesmo estúdio com a mesma pessoa e o mesmo instrumento. Não gosto disso. Eu fico realmente entediada, e eu me deixo entediada também. É por isso que não posso confiar em mim mesma como costumava fazer. E também, ao tentar fazer o mundo ter sentido para uma criança, seu vocabulário diminui. Então eu quis estar com pessoas diferentes para me estimular.”

Sobre cantar ao piano:
“Se pudesse, faria os meus shows apenas com um piano. Mas por quanto tempo você consegue entreter alguém apenas com baladinhas no piano? Então eu não me atreveria a desrespeitar alguém que pagaria para assistir o meu show com esse tipo de tédio. Mas eu amo o piano. Eu só ouço melodias com piano.”

Sobre ter assistido os shows de retorno da Kate Bush em Londres:

“O show todo se tratava do momento antes dela ser mãe e de depois de ter se tornado mãe, e o filho dela estava lá. Eu li em algum lugar, mas não sei se é verdade ou não, que o filho dela disse quando tinha dezesseis anos ‘Eu quero saber agora, por que todo mundo ama você?’  Eu fiquei muito emocionada. Depois do show eu fiquei tipo ‘Eu não quero esperar. Não quero esperar meu filho chegar aos 16, quero mostrar a ele agora’. Depois disso, decidi que não importava se ninguém quisesse que gravasse outro álbum. Eu faria um por conta própria.”

Sobre a indústria musical: 
“Eu realmente estou por fora da indústria musical. Esses altos e baixos não me interessam em nada. Mas há muitos novos artistas que eu curto, que eu sou fã de carteirinha. Eu não os escuto como artistas, mas como fã. E me sinto em relação a eles do mesmo jeito que eu costumava me sentir antigamente sobre os artistas. Eu realmente tenho que me transformar quando vou trabalhar. Tenho que me transformar pela manhã, quando estou no carro a caminho de algum lugar. Essa é a única razão pela qual continuo fazendo isso. Eu geralmente sou uma fã — menos de mim mesma.” [Risos]

Sobre os artistas atuais que ela gosta:
“Alabama Shakes. Lana Del Rey – ela simplesmente perfura a minha alma e me faz querer chorar. Eu amo a forma como ela é misteriosa. E eu amo como ela simplesmente lança um álbum e é isso.”

Sobre o lançamento do 25 sem muito aviso prévio:
“Obviamente foi estratégico. Talvez soe come se eu fosse hipócrita, mas num mundo onde as coisas acontecem tão rapidamente, por que as pessoas estão fazendo propaganda dois/três meses antes do lançamento? Não tenho tempo para ficar esperando o lançamento de um álbum que só vai ser lançado daqui a três meses. Lance o álbum e se eu gostar, eu serei sua fã para sempre.”

Sobre os altos e baixos da carreira:
“Ter alguns álbuns mais sucedidos e outros nem tanto, fazer um show ruim e dar uma entrevista ruim, tudo isso faz parte de ter uma carreira, que é uma coisa maravilhosa. O retorno e coisas do tipo, é parte do que os grandes artistas fazem. É a grande volta que é completamente épica. As pessoas sempre vão se lembrar de você e de tudo o que você fez caso retorne com algo ótimo!”

Tradução: Anderson Júnior
Revisão: Pedro Lopes

O álbum da Adele, “25”, bateu a marca de um milhão de cópias vendidas no Reino Unido em apenas dez dias. Nenhum outro disco, na história da Official Charts Company, conseguiu vender esse número em tão pouco tempo na região. Quem detinha o recorde anteriormente era Oasis, com 17 dias para vender um milhão de unidades do disco “Be Here Now” em 1997.

Adele conseguiu vender 800 mil cópias no mercado britânico só na semana de lançamento, o que a botou no topo da parada, claro. Com o primeiro milhão garantido, “25” se tornou o álbum mais vendido de 2015 no Reino Unido, superando o “x” do Ed Sheeran.

adele

Nos Estados Unidos, cujo mercado é muito maior, Adele conseguiu vender 3,38 milhões de cópias do “25” na semana de lançamento. Com isso, conquistou, de cara, o certificado triplo de platina.

Via: POPLine

 

A Billboard publicou uma enquete para saber qual música do “25” é melhor do álbum. Qual música os fãs acham que farão mais sucesso? Quando Adele lançou ‘Hello’ como primeiro single, ela estava certa? Ou tem outra música que poderia ter sido?

Vote agora:


Como as vendas do “25” continuam subindo essa semana, o Official Charts Company pode fazer hoje, 26, a confirmação de que Adele quebrou o recorde do Oasis de maior número de vendas na primeira semana. As vendas do “25” estão em 737.000, deixando para trás as 696.000 cópias que o Oasis vendeu em 1997 com “Here Now”. Entretanto, o álbum da banda estreou em uma quinta-feira, tendo registrado apenas três dias de vendas em sua primeira semana.

Em comparação, o “21” foi lançado em janeiro de 2011 e vendeu 208.000 cópias na primeira semana, somente ultrapassando as 500.000 em sua quarta semana de vendas. Alcançou seu maior registro em uma semana, com 258.000 cópias vendidas, apenas na 10ª semana após seu lançamento.

Sua estreia com o “19” rendeu 73.000 cópias vendidas na primeira semana, em fevereiro de 2008, um total que nunca mais foi igualado – ultrapassou as 500.000 cópias vendidas após 53 semanas de vendas.

O número final das vendas de Adele na primeira semana do “25” será anunciado amanhã no OfficialCharts.com

Em apenas 3 dias de vendas, Adele quebrou dois dos maiores recordes relacionados a álbuns nos Estados Unidos. Com 2.433 milhões de cópias vendidas em território americano, o “25” quebrou o recorde do ‘NSync, de maior debut de um disco da história, e o de Britney Spears, que segurou por 15 anos o recorde de maior debut feminino da história com o “Oops!…I Did It Again”.

Em entrevista recente para o “NPR”, o entrevistador disse para Adele que ela havia quebrado o recorde de Britney Spears e a cantora respondeu com poucas palavras, afirmando que “Britney é a rainha”. Não satisfeita, a cantora ainda afirmou amar Spears.

error: Este conteúdo pertence ao Portal Adele Brasil. Cópias são proibidas.