ADELE

O notícia dada pela Adele durante um dos seus shows de que havia sido convidada para performar no intervalo do Super Bowl de 2017 e que recusara é o mais recente lacre da cantora. Ao dizer que o show do intervalo “não se trata de música”, ela diferencia-se de Beyoncé, Bruno Mars e Katy Perry, que são os mais recentes headliners do evento e no qual usaram luzes e espetáculos para chamar ainda mais a atenção para suas músicas em suas performances durante o programa de televisão de maior audiência (Super Bowl). Ela também se diferencia da Rihanna, do Drake, da Carrie Underwood, da Lady Gaga, da Ariana Grande, da Taylor Swift, do Justin Bieber, do Zayn Malik e todos os outros artistas atuais que não foram convidados para o show, embora sejam mais propícios a performar no Super Bowl do que a própria Adele.

Esta notícia eleva o status de Adele ao topo do pódio do mundo pop e, como todas as grandes tentativas da mídia em criar rumores, pode estar aquém da realidade. O NFL e a patrocinadora do show, Pepsi, afirmam que tiveram conversas com vários artistas sobre o evento, mas não fizeram uma proposta à ninguém. O que parece, baseado em matérias anteriormente feitas, normal. O show do intervalo do Super Bowl é produzido em uma estreita colaboração da liga com o patrocinador — fazer uma proposta firme a um artista sem interesse na apresentação, impedindo qualquer conversa acerca do que a essência do show poderia de fato ser ou como esse artista, poderia trabalhar com as várias partes envolvidas, seria uma jogada bem estranha. O Super Bowl é grandioso demais, a ponto de ser necessário um controle bastante rigoroso, e fazer uma proposta a um artista antes mesmo de discutir sobre o show com o tal iria totalmente contra isso.

A declaração da NFL e da Pepsi também faz muito sentido, uma vez que uma hora eles irão ter de fechar com alguém. A fama da Adele é tão grande que quem for escolhido para fazer o show, será visto como uma segunda escolha. Adele pode estar jogando de uma maneira diferente, musicalmente falando, do que muitos de seus “concorrentes”, mas é difícil acreditar que ela não esteja ciente da tentativa da NFL de apaziguar a situação e de que ela será o assunto de uma discussão durante uma evento do qual ela nem ao menos irá participar.

Porém, a questão da NFL ter contatado a Adele é o que faz mais sentido do que até a própria Adele imagina. Sim, o show ultimamente tem focado em artistas pop contemporâneos, do tipo que se presta a pirotécnicas, no sentido figurado ou literal, ao invés de baladas sobre términos de relacionamento. O show do intervalo do Super Bowl pode, atualmente, “não se tratar de música”, mas não há nenhuma razão para que isso seja ou devesse ser permanente. Na verdade, fechar com a Adele seria uma mudança significativa e interessantemente diferente para um show de intervalo do Super Bowl, que ultimamente tem recebido uma grande quantidade de pop-stars cheios de artimanhas e que pode estar preparado para uma grande mudança.

Até porque nenhum show moderno, não importa o quão simples seja, “se trata apenas de música”. Um show de Adele é potencializado por visuais de todos os tipos (sejam as imagens do telão ou os figurinos), e também por conversas com o público, o que, na verdade, foi o que deu início a todo esse assunto do Super Bowl. Talvez não seja a homenagem que a Beyoncé fez ao movimento “Partido dos Panteras Negras” em 2016, ou o leão gigante da Katy Perry em 2015, porém, é algo a mais que vai além da música. É difícil de acreditar que esse seria um show que daria bastante certo no Estádio NRG, em Houston, e diante de mais de 100 milhões de telespectadores, mas mesmo assim: Como um show super bem-sucedido, com um palco tão bem pensado ao ponto de agradar a NFL suficientemente para que a mesma demonstre um certo interesse, Adele pode ser mais parecida com Katy Perry do que ela pensa.

Matéria original – TIME.
Tradução e adaptação: Anderson Junior, Gabriela Teixeira e Ygor Ribeiro

Depois de toda confusão que aconteceu na última semana sobre Adele e o Super Bowl, a NFL resolveu falar sobre o caso. Através de seu site oficial, a Liga publicou o seguinte texto:

“Então Adele passou o Super Bowl. Ou a ela não foi oferecido. Tanto faz o que aconteceu, a cantora de “Hello” não estará performando em Houston, dia 5 de fevereiro.

Isso é ruim demais. Adele deveria teria feito uma intrigante apresentação principal. Fã ou não, Adele tem sido uma estrela em potencial para apelar para uma audiência global, no topo de qualificação para o maior palco do planeta. A cantora britânica deu explicação caracteristicamente franca da razão que ela não iria ser parte do Super Bowl durante o concerto dela no Staples Center em Los Angeles nesse final de semana.

“Primeiramente, eu não estou indo me apresentar no Super Bowl”, ela disse para o show sold-out. “Eu digo, qual é gente, esse show não é sobre música. E eu realmente não posso dançar ou qualquer coisa como isso. Eles foram muito gentis, eles me perguntaram, mas eu disse não”.

Antes de prosseguirmos, gostaria de salientar que Adele parece ser uma pessoa legal. Ela parece muito pé no chão, tem uma boca como a do Bruce Arians e pode, provavelmente, sentar e beber com você. Há um universo alternativo onde Adele e eu somos fortes amigos platônicos que ganham competições juntos no karokê em um boteco por Los Angeles.

Mas eu tenho que discordar com a opinião dela aqui. O show no intervalo do Super Bowl pode ser sobre a música. O artista só precisa ter o manuseio e visão para colocar isso em prática.

Adele é uma cantora em primeiro lugar. Isso é praticamente a totalidade do enorme apelo dela, e eu posso entender por qual razão ela sente que isso faz dela inadequada. É difícil imaginar Adele entrando no campo em um tigre gigante.

Mas você não tem que entrar no campo em um tigre gigante. Katy Perry entrou no campo em um tigre gigante, porque isso é o que você tem que fazer quando você é Katy Perry, Katy Perry precisa do espetáculo. Isso também ajuda a explicar porque o Tubarão é a única coisa que a maioria das pessoas lembra sobre a perfomance dela.

Adele não precisa de um tigre… ou de um peixe bêbado. Ela tem a voz, que é de longe mais poderosa que qualquer recurso visual. Coloque Adele no meio do estádio e deixa a voz dela e as músicas dela comandar o dia. Francamente, isso seria revigorante.

Beyoncé (2013), Prince (2007), e U2 (2002) têm entregue as três melhores perfomances na era pós-2000 dos shows no Super Bowl. Há um fio em comum todos os três: eles eram grandes artistas que abraçaram o espetáculo, mas deixaram as músicas e as perfomances comandar o dia. Não há nenhuma razão que Adele não poderia fazer o mesmo. Talvez ela irá ler isso e voltar atrás. (Não ela não vai.)

Amanhã nós compartilharemos nossa possível lista das atrações do Super Bowl em um mundo pós-Adele. Isso não será um exercício fácil.

Adele decepcionou muita gente ao contar que recusou o convite para cantar no intervalo do Super Bowl. Ela falou sobre os boatos durante um show da sua turnê, no Stales Center, em Los Angeles.

“Antes de tudo, eu não vou cantar no Super Bowl. Quer dizer, veja só, aquele show não é de música. Eu não consigo dançar nem nada desse tipo. Eles foram muito gentis, me convidaram, mas eu disse não”. Ela também aproveitou para chamar de “estúpidos” os rumores sobre uma possível gravidez e para brincar, dizendo que teria um “bebê de queijo”.

No entanto, os dois principais patrocinadores do evento, marcado para o dia 5 de fevereiro do ano que vem, lançaram um comunicado no qual negam que tenham feito o convite oficial à artista.

“O NFL e a Pepsi são grandes fãs da Adele. Nós conversamos com alguns artistas sobre o show. No entanto, nós ainda não fizemos uma oferta formal para a Adele ou qualquer outro artista. Nós estamos focados em organizar um show fantástico em Houston e estamos ansiosos para revelar [a atração] quando for a hora”.

A cantora britânica normalmente recusa convites para cantar em granes eventos. Neste ano, no entanto, ela parece ter aberto uma exceção na regra para cantar no consagrado festival de Glastonbury, no Reino Unido.

Via: HuffPost Brasil.

Depois de se apresentar para mais de 150 mil pessoas no Festival Glastonbury, o foco dessa vez de Adele é o Super Bowl. Rumores apontam a cantora como a mais cotada para se apresentar no intervalo esportivo mais assistido no mundo.

Uma fonte da NFL disse ao The Sun: “Não há ninguém maior no mundo do que Adele agora e os organizadores estão fazendo absolutamente tudo o que podem para tentar convencê-la a participar. Ela esgotou todas as data de sua turnê, todo mundo quer um pedaço dela e eles (organizadores) sabem que podem depositar sua confiança na Adele.”

rollinglasto

O Super Bowl 2017 acontece no mês de Fevereiro, por enquanto não há nenhuma confirmação oficial.

Foi revelado hoje (26), os indicados ao Video Music Awards 2016. Adele, claro, não ficou de fora. A cantora recebeu X indicações, incluindo Vídeo do Ano por “Hello”.

Confira a lista:

Vídeo do Ano – Hello
Melhor Edição – Hello
Melhor cinematografia – Hello
Melhor direção – Hello
Melhor direção de arte – Hello
Melhor Vídeo Pop – Hello
Melhor Vídeo Feminino – Hello
Melhor efeito Visual – Send My Love (To Your New Lover)

Foram revelados ontem (14) os indicados da 68ª cerimônia de entrega dos prêmios Emmy, que celebra os melhores atores, atrizes e produções para a televisão norte-americana. Adele foi indicada na premiação pelo especial “Live in New York City” exibido em dezembro do ano passado.

>>> Assista o especial Adele Live in New York City

Confira as categorias:

  1. Marcante especial de variedade
  2. Direção marcante para um especial de variedade
  3. Design e direção de iluminação marcante para um especial de variedade
  4. Marcante trabalho de câmera, controle de vídeo, direção técnica para uma série, filme ou especial

Adele concorre com Beyoncé na mesma categoria, “Direção marcante para um especial de variedade” e “Marcante especial de variedade”. A entrega dos prêmios Emmy acontece no dia 18 de Setembro no Microsoft Theater, em Los Angeles.

Adele é poderosa mesmo. Seu terceiro álbum, “25”, o mais vendido de 2015, foi também o mais vendido do primeiro semestre de 2016 nos Estados Unidos. O disco registrou 1,4 milhão de cópias comercializadas no país – cerca de 100 mil a mais que o segundo colocado, “Views”, do Drake. “Lemonade”, da Beyoncé, aparece em 3º no ranking. Veja:

1. Adele, 25 (1.403.000)
2. Drake, Views (1.313.000)
3. Beyonce, Lemonade (1.202.000)
4. Chris Stapleton, Traveller (746.000)
5. Prince, The Very Best of Prince (575.000)
6. Rihanna, Anti (480.000)
7. Justin Bieber, Purpose (479.000)
8. David Bowie, Blackstar (428.000)
9. Prince and the Revolution, Purple Rain (Soundtrack) (413.000)
10. Panic at the Disco, Death of a Bachelor (397.000)

A Billboard também divulgou esse segundo ranking, que considera a equação de vendas + streamings, mais representativa do mercado atual, com o predomínio de streamings:

1. Drake, Views (2.609.000 unidades)
2. Adele, 25 (1.747.000 unidades)
3. Beyonce, Lemonade (1.687.000 unidades)
4. Justin Bieber, Purpose (1.332.000 unidades)
5. Rihanna, Anti (1.272.000 unidades)
6. Chris Stapleton, Traveller (931.000 unidades)
7. Prince, The Very Best of Prince (905.000 unidades)
8. Twenty One Pilots, Blurryface (905.000 unidades)
9. The Weeknd, Beauty Behind the Madness (708.000 unidades)
10. Kevin Gates, Islah (690.000 unidades)

Via: POPline.

A revista Forbes liberou na última segunda-feira (11), a tradicional lista de celebridades que mais arrecadaram dinheiro no último ano e Adele não poderia ficar de fora.

>>> Adele desmente boatos de casamento e fala sobre pausa na carreira

Mesmo com apenas o álbum ’25’, a cantora conseguiu se destacar na lista, por conta o seu grande desempenho nas vendas. Adele ocupa a 9ª posição, segunda cantora a ter faturado mais no top 10.  Confira a lista:

1. Taylor Swift – US$ 170 milhões
2. One Direction – US$ 110 milhões
3. James Patterson – US$ 95 milhões
4. Dr. Phil McGraw – US$ 88 milhões
5. Cristiano Ronaldo – US$ 88 milhões
6. Kevin Hart – US$ 87 milhões
7. Howard Stern – US$ 85 milhões
8. Lionel Messi – US$ 81,5 milhões
9. Adele – US$ 80,5 milhões
10. Rush Limbaugh – US$ 79 milhões

Adele resolveu abrir o coração com seus fãs durante o show realizado no Xcel Center, em Minnesota, na terça-feira, 5, onde ela lançou indiretas para seu parceiro, Simon Konecki, – com quem ela tem o filho Angelo, de 3 anos.

>>> Adele no Brasil: cantora fecha datas para turnê no país em Abril de 2017

“Poderia muito bem ser casada, mas não sou. Diria a vocês se eu fosse”, disse a cantora, dispersando os rumores de que teria se casado secretamente, e aproveitando para dar uma cutucada em seu namorado.

A cantora, que está com Simon há quatro anos, também lembrou seus fãs que entrará em hiato assim que terminar sua turnê mundial, para que possa cuidar de seu filho. No entanto, ela prometeu que o hiato não será tão “longo” quanto sua pausa de quatro anos em 2011 depois que ela lançou o álbum 21.

“Meu filho está começando a escola, você vê – por isso estou tão ocupada tentando tirar todos meus shows fora do caminho. Não acho que estarei longe por tanto tempo”, disse.

Via: E+

Adele aproveitou muito bem o feriado de 4 de Julho (dia da Independência dos Estados Unidos) com sua banda no Hi-Lo Diner em Minneapolis ontem. A cantora chegou na America do Norte com sua nova turnê para promover seu álbum “25′, com todos os ingressos esgotados!

Martine se desculpou em seu Twitter pelo fato ocorrido. A backing vocal falou que não queria ter machucado alguém e pediu sua sinceras desculpas.

Agora vamos ao que interessa. Umas das backings vocals de Adele, Martine, discutiu feio com os fãs da cantora na noite de ontem (4). Tudo isso por conta de um vídeo que ela gravou e divulgou no Snapchat, rede social no qual a mesma divulgou e permitiu ao público todo o acesso.

“Parem de tirar print dos meus snaps e divulga-lós.”

MARTINE1

Na imagem, Martine aparace junto com Amanda Brown, e possivelmente, Alexandra Waespi, e no fundo, Adele… O print tirados no snap dela foram os seguintes:

snap

E foi ai que tudo começou. Um fã brasileiro a mencionou: “Eu amo Adele, mas isso está ficando insuportável“. Ela por sua vez só fez responder com um “bloqueado“.  Outro Daydreamer comentou: “Você está chata!“, logo ela deu uma resposta bem infantil e desrespeitosa, “Sua mãe que é chata!“.

Alguns tuítes foram excluídos, mas temos os prints:

brigatour1 brigatour2

Claro que, Martine se irritou com tudo isso, atacou e foi atacada pelos Daydreamers. Mas isso tudo foi necessário? Certamente não. Artistas divulgam suas redes sociais no intuito de ser seguidos e é claro que isso vai acontecer, uma coisa tão besta virou essa bola de neve toda.

Fora que se não fosse pela Adele, ninguém a conheceria…

As pessoas seguem você por causa de Adele… supere isso! Se você não gosta de prints, bloqueie a sua conta apenas para amigos!” tuitou Anderson do Portal Adele Brasil. Tendo como resposta: “Ou você pode sair da minha página“.

“Se o que eu tuitei no início não se aplica a você, siga a sua vida. Se você tem algum problema com isso, guarde pra você e dê unfollow. Isso nem é pra tanto.” tuitou Martine. Depois de toda essa confusão, e ter bloqueado vários fãs, Martine por fim, privatizou seu perfil no Twitter.

error: Este conteúdo pertence ao Portal Adele Brasil. Cópias são proibidas.