Em entrevista exclusiva ao Entertainment Weekly, Patrick Daughters, o diretor de ‘Send My Love (To Your New Lover’, explicou a história por trás do clipe: “Ela só está se expressando fisicamente, uma coisa que as pessoas não estão acostumadas a ver.”

“Realmente não há nenhuma edição no vídeo”, diz o diretor Patrick Daughters à EW. “Mas de uma certa forma, conforme você assiste ao clipe por várias vezes, você começa a fazer suas próprias edições, uma vez que você foca em diferentes camadas da performance. Isso é algo que construímos na ideia de que há várias diferentes versões desse vídeo para se ver, mas elas estão todas ao mesmo tempo.”

Abaixo, Daughters explica seu discurso inicial para o vídeo, o obstáculo médico que ele teve que passar no dia das filmagens, e o quão maravilhosa Adele é pessoalmente (spoiler: muito maravilhosa).

ENTERTAINMENT WEEKLY: Qual foi seu discurso inicial para Adele?
PATRICK DAUGHTERS: Foi algo muito simples. Nós estávamos verdadeiramente focados em sua performance. Isso foi relacionado com um dos traços da música, na verdade, o traço sobre se libertar de seus fantasmas. Este foi um riff nessa ideia, a ideia de que haveriam diferentes takes dela que poderiam vir de lugares levemente diferentes, nos termos de suas emoções e sua performance, e nós colocaríamos todos juntos em camadas.

Quanto vídeos vocês fizeram?
Acho que fizemos 12 takes. Nós observamos a música e os diferentes níveis do vocal dela, que foi uma maneira de conduzir algumas das camadas. Alguns takes nós fizemos em um lugar que era emocionalmente mais claro, e então fizemos alguns que eram um pouco mais sobre o que realmente traz a canção, deixando de lado algumas coisas e sendo mais celebrativo. Depois nós tínhamos alguns takes com os quais ficamos bastante satisfeitos, então começamos a jogar com as emoções, a emoção predominante no take e também com as diferentes interpretações. Conforme fazíamos isso, construímos o clipe juntos.

Como foi trabalhar com Adele?
Foi fantástico. Ela é super inteligente, totalmente profissional, muito engraçada e muito encantadora. É totalmente uma pessoa real, gente como a gente. Todo mundo diz “É, foi o que pensei”, e é muito legal que por uma vez isso seja verdade. Algumas vezes a imagem de uma pessoa nem sempre corresponde à sua experiência com ela pessoalmente, mas nesse caso correspondeu completamente. Ela é muito poderosa, uma mulher especial.

Ela não é muito conhecida por dançar. Como você fez com que ela se soltasse?
Olhando seus trabalhos anteriores eu fiquei surpreso que não havia nenhum vídeo que fosse verdadeiramente sobre ela performando a música do começo ao fim, e essa é a coisa mais interessante que você gostaria de ver. Sobre a sua dança, não houve coreografia, apenas foi requerido que ela fosse ciente do que fez no último take. Houve algumas sugestões do que ficaria bom quando repetido muitas vezes. Após alguns takes, uma vez que todos estavam um pouco mais à vontade referente a nós do lado da câmera, ela simplesmente deixou rolar. Com relação ao final, nós estávamos fazendo takes em que estávamos mais focados no movimento e menos na performance emocional. Esses movimentos objetivavam uma padronização, sobre como iriam aparecer em camadas por diversas vezes, brincando um pouco com a textura do vestido. Foi tudo muito natural para ela. O vídeo é apenas ela sendo muito expressa fisicamente, de um jeito que as pessoas não estão acostumadas a ver.

Quem escolheu esse vestido?
Ela escolheu o vestido. Eu estava sofrendo de enxaqueca na manhã da filmagem e estava recebendo cuidados. Me mostraram a escolha do vestido e eu achei ótima. Nós havíamos conversado sobre o que ficaria bom com a ideia do vídeo, algo que tivesse uma padronização e também uma leveza no movimento do tecido. Ela simplesmente arrasou. Este se tornou o vestido perfeito.

Dolce and Gabbana

Adele veste Dolce & Gabbana primavera/verão 2016.

Como foi filmar um vídeo com uma enxaqueca?
Eu tive a enxaqueca cedo e o médico chegou lá antes dela, então nós acabamos não perdendo muito tempo. Foi um evento inesperado. Menciono isso porque me lembro de ter tido a enxaqueca e me sentado no escuro, enquanto me traziam as fotos: “essa é a primeira escolha dela, essa é a segunda escolha dela, essa é a terceira escolha dela…” E eu fiquei tipo “essa primeira escolha, essa me parece ótima.” Essa foi a única decisão de direção que me foi solicitada durante a minha enxaqueca.

Tradução: Gabriela Teixeira.